sexta-feira, 29 de julho de 2011

Resgate 03 participa de simulado no Riacho Fundo e realiza nova remoção aeromédica - fotos e vídeos

     O Resgate 03 foi acionado para um simulado de colisão de automóvel no Riacho Fundo. Ao pousar na via, a vítima já se encontrava imobilizada pela equipe do CBMDF, coberta com manta “térmica”, pronta para o transporte. Após breve avaliação clínica, o paciente foi transportado para o Quartel do Riacho Fundo. O atendimento seguiu o padrão de acionamento por viatura terrestre, avaliação da vítima e embarque na aeronave de acordo com as normas de segurança para atendimento aeromédico.



Siga o Resgate Aéreo e receba em tempo real as informações relacionadas com as aeronaves de resgate!
Acesse: www.twitter.com/resgateaereo ou inclua seguir no seu celular para @resgateaereo
Perfil no Facebook: Resgate Aéreo.


     A aeronave foi apenas um dos recursos operacionais na cena do simulado, que contou ainda com quatro viaturas do GBM do Riacho Fundo, para realização prévia das atividades de resgate, salvamento, prevenção de incêndios, bem como o suporte básico de vida ao paciente até a chegada da equipe médica com a aeronave.

Vídeo com as imagens do Simulado
video

Heliponto do Hospital Regional de Planaltina - HRP
     Ao término do simulado, a tripulação retornou a Base Resgate para abastecimento e partiu para novo atendimento, dessa vez um transporte solicitado via SAMU, do Hospital Regional de Planaltina para a UTI do Hospital Regional da Asa Norte. O paciente sofrera agressão com arma de fogo, cujo projétil transfixou o tórax e atingiu a coluna vertebral na altura da décima vértebra (T10). Ele recebeu drenagem torácica, mas o débito foi alto (saída de grande quantidade de sangue pelo dreno de tórax), com necessidade de cirurgia “aberta” para conter o sangramento. Foi identificado o vaso sanguíneo lesado e contida a hemorragia “interna”. 

Heliponto do Hospital Regional da Asa Norte - HRAN
     O jovem, de 20 anos, precisou receber 05 concentrados de hemácias (bolsas de sangue), mas resistiu e se encontrava estável, em conseqüência da habilidade dos cirurgiões que diagnosticaram e trataram o caso a tempo de evitar um desfecho fatal. 

     Quando a guarnição do resgate 03 chegou ao hospital, o paciente estava sedado e intubado, em ventilação mecânica (respirador), pronto para o transporte. Após passagem para a prancha longa da aeronave (com técnica para manter o alinhamento da coluna vertebral), e monitorização completa (cardioscópio, oxímetro de pulso, pressão arterial não-invasiva e capnografia quantitativa), foi embarcado no heliponto do Hospital de Planaltina, pela equipe do SAMU e CBMDF. O enfermeiro de bordo, do SAMU, manteve o acompanhamento dos sinais vitais e administração de hidratação venosa (soro) durante o vôo. 

     Após 16 minutos de vôo, o paciente chegava ao HRAN e era transportado à UTI, novamente com auxílio da equipe do SAMU. No desembarque foram levados o ventilador mecânico e o monitor, propiciando um transporte melhor controlado até a UTI, onde o paciente foi recebido pela equipe do HRAN. 

     O atendimento a população do Distrito Federal segue as diretrizes de verticalização da saúde, ou seja, as unidades de menor complexidade fazem a triagem e atendimento inicial dos pacientes, encaminhando os casos mais graves para as unidades de alta complexidade. Nos casos muito graves, cuja transferência por terra seja prolongada e possa prejudicar o paciente, o transporte aéreo uma opção viável. O tempo de deslocamento terrestre seria aproximadamente 45 minutos (com trânsito bom), enquanto o helicóptero transportou o paciente em 16 minutos, com os mesmos recursos de uma ambulância avançada. Nestes casos, o resgate aéreo faz a diferença ao expor menos o paciente ao ambiente extra-hospitalar. A piora do quadro clínico em vôo exigiria a localização de uma área de pouso para estabilização da vítima, o que poderia levar alguns minutos. Deste modo, o paciente precisa ser avaliado e estabilizado antes do transporte aéreo. Por exemplo, os pacientes com trauma crânio encefálico (TCE) podem precisar de intubação traqueal antes do embarque.

Viatura de apoio na chegada ao HRAN




Monitorização constante


Texto: Ten Médico Villela.
Imagens: Cap Kleber - Pil. 20.

Siga o Resgate Aéreo e receba em tempo real as informações relacionadas com as aeronaves de resgate!
Acesse: www.twitter.com/resgateaereo ou inclua seguir no seu celular para @resgateaereo
Perfil no Facebook: Resgate Aéreo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

POSTAGENS MAIS ACESSADAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS